Ghelfond Diagnósticos
Agendamento de Exames

A doença de Alzheimer é o tipo de demência mais comum e também é um termo geral usado para descrever as condições que ocorrem quando o cérebro não funciona mais corretamente. O Alzheimer causa problemas na memória, pensamentos e comportamentos. Nos estágios iniciais, os sintomas de demência podem ser mínimos, mas pioram conforme a doença causa mais danos ao cérebro. A taxa de progresso da doença é variável conforme a pessoa, contudo, portadores de Alzheimer vivem em média até oito anos após o início dos sintomas. Apesar de não haver atualmente tratamentos que impeçam o progresso da doença de Alzheimer, há medicamentos para tratar os sintomas de demência. Nas últimas três décadas, as pesquisas sobre demência proporcionaram uma compreensão muito mais profunda sobre como o Alzheimer afeta o cérebro. Hoje em dia, os pesquisadores continuam em busca de tratamentos mais eficientes e a cura, além de formas para impedir o Alzheimer e melhorar a saúde cerebral.

Diagnóstico - Não existe um simples exame que indique se a pessoa é portadora de Alzheimer. O diagnóstico requer uma ampla avaliação médica, a qual pode incluir:

• Histórico médico da sua família;
• Exame neurológico;
• Testes cognitivos para avaliar a memória e o pensamento;
• Exame de sangue (para descartar quaisquer outras possíveis causas dos sintomas);
• Imagiologia cerebral.

Apesar de os médicos normalmente conseguirem determinar se a pessoa é portadora de demência, pode ser mais difícil distinguir o tipo da demência. Erros de diagnósticos são mais comuns em Alzheimer prematuro.

Receber um diagnóstico preciso durante a fase inicial da doença é importante, pois permite:

• Uma maior probabilidade de se beneficiar dos tratamentos disponíveis, os quais podem melhorar a qualidade de vida
• A oportunidade de receber serviços de ajuda
• Uma oportunidade de participar de testes e estudos clínicos
• Uma oportunidade de expressar desejos pessoais em relação aos cuidados e vida futura
• Colocar planos legais e financeiros em ordem

Leia mais em: http://alz.org/br
Resultados de Exames

O excesso de sódio faz mal à saúde e por isso, ele acaba sendo vilão para aqueles que desejam manter uma alimentação equilibrada. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que o consumo diário de sódio não ultrapasse 2.400 mg, o que representa 6 gramas de sal. Como alternativa, é possível, trocar o sal por temperos naturais.

Conheça 10 temperos que podem substituir o sal e o mesmo tempo beneficiar na sua saúde como antioxidantes, anti-inflamatórios e estimulantes:

• Alho
• Cebola
• Gengibre
• Pimenta
• Limão
• Coentro
• Hortelã
• Manjericão
• Alecrim
• Salsinhav

Fonte: Exame – Matéria com Cintia Azeredo, nutricionista.

Diagnóstico e Tratamento.

O melanoma de coróide é o tumor ocular mais comum em adultos, com incidência calculada em 6 casos para cada 1.000.000 de habitantes. Incide igualmente em homens e mulheres, e entre os 45 e 60 anos de idade.

Pode se manifestar com queda da visão caso apresente-se associado a descolamento da retina, ou quando ele é muito grande produzindo uma sombra na visão. Os exames oftalmológicos para o diagnóstico são:

• Retinografia;
• Ultra-som;
• Mapeamento da Retina.

Tratamento

Para o tratamento dos casos de melanoma de coróide, podem ser utilizadas placas radioativas, termoterapia transpupilar, enucleação, exenteração, quimioterapia ou imunoterapia, dependendo das características do tumor.

Para os melanomas pequenos a opção de tratamento é a termoterapia transpupilar, para os tumores de tamanho médios é indicada a braquiterapia ocular (radiação no tumor) e, para os grandes, a enucleação (remoção do globo ocular). Em certos casos, podemos associar esses tratamentos.

RETINOBLASTOMA

Retinoblastoma é um câncer ocular que atinge as células da retina. Ele tem origem genética e é causado pela mutação de um gene do cromossomo 13.

O diagnóstico é feito pelo exame do fundo do olho, em geral complementado pela ultrassonografia ocular e pela tomografia por computador, do olho, órbita e sistema nervoso central. Tumores pequenos, em geral, são tratados por laser; tumores médios são tratados por quimioterapia, braquioterapia e laser; Tumores grandes, geralmente, só podem ser tratados pela remoção do globo ocular. Quando há invasão do sistema nervoso central ou outros órgãos são atingidos, usa-se quimioterapia e radioterapia no tratamento.

A BRAQUITERAPIA

A Braquiterapia em tumores oculares é um novo tratamento que consiste em aplicações de placas de rutênio na parede do globo ocular junto ao tumor, evitando expor as regiões normais do olho a radiação, preservando a função visual, se possível e também a estética local. É usado para destruir tumores intra-oculares como Melanoma e Retinoblastoma. A vantagem sobre a Radioterapia convencional com feixe externo é que a Braquiterapia não danifica as estruturas que estão perto do tumor como os ossos da face, pele, músculos, e também não lesam os tecidos oculares como córnea, Iris e cristalino, não provocando alterações estéticas.