Ghelfond Diagnósticos
Agendamento de Exames

O Ministério da Saúde divulgou em novo boletim no dia 01 de Fevereiro que o Brasil tem 52 mortes confirmadas de febre amarela. Destas, 47 ocorreram em Minas Gerais, duas no Espírito Santo e três em São Paulo. Os estados receberam 857 notificações da doença - a maior parte delas, 770, em Minas. Deste total, 149 infecções foram confirmadas, 667 ainda precisam de investigação e 41 registros foram descartados.

Neste boletim, o ministério divulgou que o Tocantins recebeu a primeira notificação da doença. Já a Secretaria de Saúde (Sesau) do estado divulgou um número diferente de casos suspeitos: quatro. É comum que estados e o governo federal apresentem dados diferentes, já que cada um recebe as informações em prazos diferentes. Vacinação

Moradores ou pessoas que pretendem visitar regiões silvestres, rurais ou de mata devem se vacinar no Sistema Único de Saúde (SUS). A transmissão da doença, que ocorre pela picada dos mosquitos Haemagogus e Sabathes nessas regiões, é possível em grande parte do território brasileiro. O Aedes aegypti também é transmissor da febre amarela, mas apenas em área urbana.

Vale lembrar que, em situações de emergência, a vacina pode ser administrada já a partir dos 6 meses. O indicado, no entanto, é que bebês de 9 meses sejam vacinados pela primeira vez. Depois, recebam um segundo reforço aos 4 anos de idade. A vacina tem 95% de eficiência e demora cerca de 10 dias para garantir a imunização já após a primeira aplicação.

Pessoas com mais de 5 anos de idade devem se vacinar e receber a segunda dose após 10 anos. Idosos precisam ir ao médico para avaliar os riscos de receber a imunização.Por causar reações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo.

fonte: g1.globo.com

Resultados de Exames

Curtir o Carnaval é uma delícia, mas é preciso estar atento à alimentação, ter cuidados com a pele e se proteger das doenças sexualmente transmissíveis.

O excesso de bebidas alcoólicas, sol forte e poucas horas de sono podem acarretar consequências desagradáveis para a saúde como a desidratação, insolação, queimaduras na pele, inflamação do fígado, vômitos e desmaios. Por isso, caia na folia, mas não se esqueça dos cuidados essenciais para aproveitar estes dias ao máximo e de forma saudável:

Beba bastante água mineral;
Evite exposição direta ao sol - Use protetor solar, óculos de sol e proteja a sua cabeça com chapéu ou boné;
Coma de 3 em 3 horas;
Use roupas leves e calçados confortáveis;
Tenha noites de sono com pelo menos 7h de descanso;
Use preservativos.

É hora de redobrar a atenção para os cuidados com a pele.

A exposição ao sol é benéfica, porém, se não houver proteção adequada, poderá trazer riscos à saúde.

Conheça dicas saudáveis para aproveitar o verão sem prejudicar a sua pele:

De todos os casos de câncer registrados no Brasil, o de pele é o mais frequente e equivale a cerca de 32% dos tumores diagnosticados em todas as regiões do país. A exposição aos raios ultravioleta em horários de alta radiação é apontada como a principal causa do surgimento da doença, o que se agrava com a destruição da camada de ozônio.

Mais de 50% da população brasileira tem pele clara e se expõe muito ao sol descuidadamente, seja em razão do trabalho ou lazer. Além disso, o alto índice de casos de câncer de pele no Brasil também se deve à posição geográfica e, por isso, à incidência de raios solares.

O excesso de exposição solar na infância e adolescência está associado ao câncer de pele em adultos. Entre 10h e 16h, a radiação solar torna-se bastante perigosa, levando também ao envelhecimento precoce da pele.

Proteja-se do sol

Quanto menor a exposição solar excessiva durante a vida de uma pessoa, menor chance de desenvolver câncer de pele. As orientações a seguir devem ser adotadas por adultos e crianças:

Antes das 10h ou depois das 16h, a intensidade do sol é menor e o corpo passa a absorver melhor a vitamina D, o que garante ossos mais fortes, impedindo doenças como a osteoporose. Escolher esse período para se expor ao sol é uma atitude saudável.

No entanto, independentemente do horário, o uso da barreira física é recomendado. Por isso, na praia ou na piscina, use sempre bonés, chapéus e não se esqueça do guarda-sol. O protetor solar no corpo e nos lábios ajuda a proteger a pele da ação dos raios solares, e óculos de sol com filtro ultravioleta protegem contra lesões oculares.

No trabalho ao ar livre, além dessas dicas, não deixe de vestir camisetas de manga longa e calça comprida. Procure locais com sombra e, se possível, evite trabalhar nas horas mais quentes do dia.

Fontes: consultores da Fundação do Câncer, Instituto Nacional de Câncer (Inca) e Organização Mundial da Saúde (OMS).




Saiba porque para nós -
VIVER É O MELHOR RESULTADO

Assista nosso vídeo institucional e descubra